Ai de mim se não fosse eu!

Assim como as empresas precisam de planejamento para ter bons resultados, buscar os melhores profissionais, os melhores fornecedores, e tudo o mais que engloba a logística e funcionamento de uma organização empresarial, na carreira profissional não é nada diferente. No entanto, ainda são raras as pessoas que compreendem a importância do planejamento e esquematizam suas carreiras antes mesmo de saírem da faculdade ou ao longo dos anos.

Quem não se lembra do case da tradicionalíssima Universidade Gama Filho, que um dia foi referência de ensino no Rio de Janeiro e hoje não funciona mais? O que a levou a falir e fechar as portas “de um dia para o outro”? Nada mais, nada menos do que má gestão.

Assim como as empresas, nós também temos que conhecer bem nosso produto ou serviço, ou seja, a nós mesmos. Temos que reconhecer nossos erros, acertos e compreender que nós somos os responsáveis por ambos.

Temos que escolher as melhores pessoas para temos em nosso relacionamento, que possam nos ajudar em alguma necessidade de recolocação profissional ou coisas do tipo. Estas funcionam como os fornecedores e parceiros nas empresas. Temos que saber organizar nossa vida financeira, saber nos apresentar, ter um bom currículo, habilidades técnicas e comportamentais, entre outras exigências do mercado para continuarmos “funcionando”, ou seja, sendo um profissional interessante na área de atuação –como funcionário ou como empreendedor.

De fato, estamos em tempos de crise, economia prejudicada, alto índice de desemprego e demissões em massa. Olhamos ao redor e a sensação que temos é de impotência, de que não há nada a fazer a não ser reclamar, chorar, lamentar. Será? Posso garantir que não.

Há pequenas ações que podem ser feitas por cada um de nós para mudar a nossa situação, a começar pela autorreflexão sobre a nossa responsabilidade pela situação atual em que se encontra nossa vida profissional.  Essa é a alma do negócio!

A partir de então, observar e passar pelos próximos passos, tão importantes quanto, será mais fácil. Mas, que passos são esses? Vejamos alguns deles:

  • Se autoconhecer para tomar decisões assertivas;
  • Compreender a importância da inteligência emocional para ter sucesso na carreira;
  • Ter uma visão ampla da vida pessoal e profissional;
  • Avaliar sua situação profissional atual;
  • Reconhecer suas responsabilidades, méritos, erros e acertos;
  • Praticar técnicas para distinguir o que quer, porque quer e o que não quer;
  • Identificar como deseja estar no período de cinco anos;
  • Pontuar o que precisa fazer para alcançar tal situação;
  • Definir quais são seus objetivos principais;
  • Escolher um único objetivo para prioriza e começar a exercitar;
  • Delimitar pequenas metas e prazos para alcançar o objetivo principal;
  • Constatar evidências se está ou não no caminho certo para alcançar o objetivo;
  • Observar suas habilidades e pontos a aprimorar para conseguir o que quer;
  • Desenvolver plano de ação para cumprir metas, prazos e alcançar os objetivos;
  • Mensurar os resultados do plano de ação;
  • E, por fim, ter habilidades para interagir, dar e receber feedbacks.

“Ufa! É muita coisa” – você pode estar pensando. Mas, outro dia li em algum lugar o seguinte: “Ai de mim se não fosse eu!”

É exatamente isso, não há outra saída. Depende única e exclusivamente de cada um de nós. E que bom, já pensou em depender de alguém para você crescer na profissão?

Experimente começar a refletir sobre isso e depois vá pensando sobre o que pode fazer para ir mudando a realidade em que se encontra, se não estiver mais feliz como está.

Eu sei, dá trabalho, mas os resultados são gratificantes.

Boa sorte e vamos em frente!

Pauline Machado é Personal, Executive e Business Coach pela SBCoaching, MBA Liderança e Gestão de Pessoas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e certificada pelo SebraeRJ no curso EMPRETEC, desenvolvido pela Harvard University e Organização das Nações Unidas (ONU), jornalista e diretora da Legado Coaching.